Sobre meu ser...

"Quando lhe faltar razão, que enfim fale o coração".
(Hélio Flanders)

sábado, 27 de fevereiro de 2010

ZZZzzzzZZZZzz

Acho que todos já se cansaram de mim, do meu lamento e até eu cansei de mim mesma, as férias já estão no fim, durante esse excesso de tempo livre só fiz pensar nele é trágico falar nisso, quando as aulas começarem vou disfarçar um belo sorriso no rosto pra ninguém saber que por dentro está tudo destruído, sinto falta dele sem querer, ele nem sabe disso somente umas poucas pessoas, com o começo do ano letivo as amizades serão reatadas menos com ela eu ainda sinto raiva dela por ter me atrapalhado, nem sei como vai ser nosso relacionamento depois de tudo que se passou, tentei não cultivar um possível ódio por ela – não consegui, estou colecionando derrotas, pra uma garota de vinte um anos a lista é razoavelmente vasta, enquanto escrevo esse texto inútil, me agarro a herança da amizade dele, as canções, parece que ele adivinhou meu gosto, eu queria poder esquecer essa história agora, nesse exato momento.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Redescobrindo o caminho

Fazia tempo em que eu deixara de dar o ar da graça na casa de minha vovó, os motivos que me levaram a tomar essa decisão foram absurdos, mas ultimamente tenho tentado ser mais presente, nessas duas semanas fui lá mais do que o de costume. Aquelas paredes...só de tocá-las a minha memória traz lembranças, quando chegávamos da escola, dos lanches nos fins de tarde eram sagrados, com todos os netinhos em volta a sua risada marcante que eu poderia reconhecer em qualquer lugar. O tempo passou os netos cresceram e se tornaram pessoas de bem como ela sempre desejou eu nunca esqueço da singularidade que é estar com a vovó.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Julian


Se um dia eu não mais tiver quem corra atrás de mim, me desperte logo nas primeiras horas da manhã, uma parte de mim vai junto.

O vento

Da janela ouço o vento, como se fosse melodia, pra lá, pra cá, no meu desejo que ele pudesse varrer a memória, a mais insistente delas, que teima em me fazer lembrar.

Final

A página dessa história pode ser virada ou como se espera, ser simplesmente arrancada, não terá continuação.

Singular

Aquela canção
O seu sorriso
O que eu sinto quando está por perto
Nossa amizade
Teu toque
Nossa repentina proximidade



"Vou morrer de saudade..."

Reaprendendo...

Desvencilhando-me
Desaprendo a esquecer
Não me reivento
Necessito mudar esse destino
Continua o desatino
Olhares perceptíveis
Que preferia ignorá-los
Creio que não será possível
Fico descontente
Quero reaprender a viver.


Sobre laços

Os laços que se entrelaçam em volta do coração, quando isso acontece é porque você foi cativado, daí por diante eles tem que ser preservados com muito cuidado, doses de amor, carinho, respeito e gratidão, assim podem perdurar na eternidade

Foi só um sentimento de 2009

Será que vai chegar o dia em que não sentirei mais sua falta? o dia em que vou parar de me culpar por não te-lo do meu lado, vou poder me olhar no espelho e constatar que seu amor já não se refletem mais em meus olhos, o dia em que andarei em outra direção que não me leve até você, dia esse que não lembrarei que você está ali, naquele mesmo lugar.
Será que um dia você vai me olhar e pensar, porque não com ela? o dia em que vou parar de acreditar que você virá, eu ainda estou aqui, é chato e me custa admitir que eu gosto de você, que a porta está aberta pra você que ela nunca se fechou e quando eu pensar na palavra Amor vou associá-la a você, por mais que eu procure em outros só encontro você dentro de mim.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

A incrível história de... (meu olhar particular)

Foi em agosto mês do aniversário dela, alguém novo surgiu como quem traz o último sopro de vida, a esperança se renovava, ela ainda podia se apaixonar novamente, mesmo tendo pensado que isso jamais aconteceria.

Mas havia um obstáculo, ela não foi a única a ver com outros olhos a presença daquele novo rapaz, sua amiga também e aí começaria o dilema, realmente valia a pena? A princípio não, pois amizade e respeito são essências, principalmente entre amigos. Ela tentou esquecê-lo... Em vão, não conseguiu, os dias foram se passando, as coisas iam se complicando amizade x paixão e uma escolha foi feita.

Eles se aproximaram, até os princípios foram postos de lado, arremessados pela janela, o que fosse pra ser seria, não adiantava fugir, ela pode conhecê-lo melhor, desvendou uns poucos mistérios que ele trazia, mas havia muito mais.

O tempo foi curto não houve tempo pra conversa franca, ela não se importava se o sentimento era recíproco, só queria que fosse revelado, a verdade que ela tentou preservar por medo, na tentativa de poupar que não merecia.

E no fim das contas ela percebeu que nem ele e sua amiga eram dignos, foi decepcionada, o seu senso de justiça falhou, pois essa qualidade é privilégio de poucos e concerteza não era o forte de sua amiga. Ela aprendeu que calar-se pode ser o desfecho mais sensato, é menos doloroso pensar que poderia ter sido bem pior, um belo conforto, saberá seguir em frente como sempre fez.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Três mulheres

A primeira vindo de tantos outros amores, quando finalmente encontrou o escolhido pensara que a felicidade estava completa, mas não ele a decepcionou a trocou pelo incerto, preferiu o caminho das pedras, o da dor e aquela mulher não quer mais amar, acha que a vida já lhe dera sua chance.
A segunda não se permite, prefere vestir sua armadura inabalável, feita do puro medo de se machucar, mesmo tendo a oportunidade de experimentar as loucuras do apaixonar-se, recebe vários convites pra noites em restaurantes - foram todos recusados.
A terceira é sonhadora, vive de amores inventados, já amou uma única vez e não foi correspondida, ela tenta seguir em frente, as experiências lhe ensinaram lições preciosas ficou mais forte, mas as histórias se repetem com o mesmo fim, ela sempre fica sozinha.
Os enredos se misturam e no fim do dia vai estar as três mulheres, na mesma casa, no mesmo lugar.

...

É um caminho perigoso, cheio de incerteza não se sabe o que estará reservado, pode ser a alegria ou a mais profunda dor, o que quero? o que espero da vida? é preciso dar sentido, um motivo pra continuar a viver. O sol brilha mas as vezes se esconde de mim, nos dias angustiantes quando os amigos não estão pra me contentar, os bons continuam comigo, do meu lado, no fim do dia já sei pra onde posso correr.

Pra ser sincero

Se me distraio, te acho aqui
Guardado em meu ser
Pra ti serei sempre piegas
Lembra-te daquele amor
Que de todos
Foi o mais sincero.

Redenção

O que ela fará? seu amor quer ir embora, já não vão mais se olhar, nem conversar como naquelas manhãs enfadonhas, o trocar de gestos mostravam sinais, de um sentimento camuflado pela serenidade daquela mulher. Ele a faz sofrer sem saber, ela não ligaria se no fim do dia um beijo ele roubasse, seria um belo final pra aquela paixão temporal - fosse como redenção.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Sobre a morte II

Se a vida me for tirada enquanto faço o que mais gosto - me vou contente.

Medo

Que cala a boca
Trava os movimentos
E não permite
A sinceridade
Interrompe as chances
Deixa se perder no tempo.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Esquerdo de ser

Sou diferente
Sou canhota
Até no jeito de pensar
De como vejo a vida
O outro lado
Sou esquerda
E quem disse que o pé esquerdo
É sinal de azar
Está enganado
Ser esquerdo é uma marca
Que só os privilegiados tem
Uma diferença que não passa despercebida
Pelos olhos de quem vê um esquerdo escrever
O esquerdo não é errado
Não é direito
Somente na mão que escreve
Pois a esquerda e a direita
Não fazem diferença
Aos olhos do criador.

Visão

Ele estava especialmente bonito
Foi um olhar de saudade
Daqueles olhos azuis cor de céu
A beleza do sentir
Do querer te ter pra mim.

"Dizem que eles vão e voltam..."

Será que vai seguir meus passos?
Lembrará da minha voz amanhã?
Que eu olhei no fundo dos teus olhos
Procurando respostas
Procurando um jeito
E até me procurando lá dentro
Vai voltar?
Só o tempo vai dizer...
Que ele me mostre de algum jeito
O destino que eu não aceito.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A arte do seu jeito

Passos lentos quase desmotivador, olhar distante, quieto no canto da sala , o mundo só parece existir nas suas canções de heavy metal, aquele sorriso tímido na maioria das vezes de mau humor. No azul dos olhos carrega mistérios, cumpre aquilo que diz por mais que o tempo passe, será sempre uma icógnita pra mim.

Sobre sentimentos

Acontece quando você menos espera, no começo é assim, luta-se contra os sinais; mãos que suam, corpo que treme, coração que acelera e a falta que aquele alguém faz. Não tem muito sentido e é sempre pela pessoa errada, tem necessidade de ser bem quisto, de demonstrar mesmo com o gesto mais desajeitado, nunca se sabe o que vai fazer direito, se vai lutar ou tentar esquecer.
O coração não obedece, ele simplesmente comanda o corpo, vontade de trazer pra perto, de tocar, beijar, carinhosamente afagar; mas todos têm medo de sofrer, tudo faz parte do aprendizado.
Desejei um sentimento racional, coisa impossível pois a beleza do sentir vem daí, do descontrole, da insanidade que traz, é preciso se perder.

A lembrar

Achei que fosse ter uma lembrança melhor de você,
Terei que guardar apenas aquele olhar de relance,
De quem um dia me percebeu,
Que sempre soube,
O que eu teimava em esconder,
Agora ficará engasgado no peito,
Desse jeito inacabado,
Não houve a oportunidade de ser iniciado,
Sem sentido, indefinido.
E com o tempo nem se lembrará de mim,
Enquanto isso eu ficarei aqui,
A lembrar.

Ódio

Eu te odeio pelo tempo que perdi;
Eu te odeio por ter passado tanto tempo ligada a você;
Eu te odeio por ter oferecido de bandeja meu amor;
Eu te odeio por tudo que fiz;
Eu te odeio por tudo que não fiz por sua causa;
Eu te odeio por acreditar que ainda existia esperança;
Eu te odeio por ter vivido tanto tempo ligada a você;
Eu te odeio por sentir esse amor, que tanto me cegou;
Eu te odeio por nunca mais querer passar por isso;
Eu te odeio tanto ou quanto te amei;
Eu te odeio porque só o ódio pode me fazer te esquecer;
Eu te odeio por ter me enganado;
Eu te odeio por sentir vontade de te ver;
Eu te odeio por sua ausência;
Eu te odeio por estragar minha alegria;
Eu te odeio por ser responsável pela minha tristeza;
Eu te odeio por querer te trazer de volta;
Eu te odeio por me fazer sentir que a vida não valia a pena;
Eu te odeio por olhar no relógio e ver como o tempo demora a passar sem você;
Eu te odeio por pegar no telefone e ter saudade da sua voz;
Eu te odeio por não me querer;
Eu te odeio por me fazer sentir rejeitada;
Eu te odeio por perceber que tudo foi ilusão;
Eu te odeio por saber o quanto é cruel;
Eu te odeio pela sua hiprocrisia;
Eu te odeio pela sua indiferença;
Eu te odeio por saber o quanto somos diferentes;
Eu te odeio por me fazer perder a capacidade de amar;
Eu te odeio por saber que depois de você;
Jamais haverá outros.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Sobre solidão

Estar só faz tanto tempo que fiquei assim , me acostumei, não há vinculos, não há sentimentos, não há nem mesmo com quem eu possa dividir os meus pensamentos, não tem ninguém a minha espera, parece triste e até meio sofrível, andar pelas ruas, passar frio sem um abraço, escutar uma bela canção e não associá-la a ninguém, é isso somos eu e a solidão.

Desabafo

A gota d’agua

Foi você não querer me ouvir

Me fazer ficar com tantas palavras a serem ditas

Isso me frustra profundamente

Essa sensação de te me calado

Do quase

De como poderia ser diferente

Eu não teria que me arrepender

Como agora, foi covardia, foi tanta coisa

Misturada ao meu medo

Não posso voltar no tempo

A chance passou por nós dois

Espero que um dia

Eu deixe de imaginar

Como poderia ter sido eu e você

Juntos, entrelaçados

E isso não passa

Todos os dias são assim

Como uma tecla a martelar na mesma nota

No fim das contas

Fico a imaginar

A história que não vivi.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Infantilidades

Cresci mas a criança que vive em mim jamais vai embora, mesmo sendo ainda uma recém adulta me sinto envelhicida por fora e tomo atitudes infantis, as vezes até choro por não ter o que desejo como quem chora por não ter um brinquedo, faço birra mesmo quando todos dizem que estou a envereder pelo caminho errado, teimo e faço o que quero não tenho mais jeito.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Devaneio

Uma dor de cabeça me chateia, mas não me deixa de mal humor já que estou quase debruçada na cadeira, converso com alguns amigos que estão distantes e penso que maravilha é a tecnologia só assim mato as saudades – relativamente. Nos aproxima e isso que importa. Durante os longos diálogos via MSN debatemos sobre o futuro me diz a amiga: “ estudo – trabalho – diversão” reflito sobre as tais questões, me esforço nos estudos, ainda não procurei um trabalho e só quero saber diversão, como naquelas tardes em que reunimos os amigos pra comemorar a vida e nos alegrar com o doce sabor do vinho, gosto quando esses momentos são proporcionados.
O devaneio lembro de um professor que dizia tal palavra no seu desespero de controlar uma sala de aula com 50 alunos, tarefa difícil mas não impossível para ele e não faz tanto tempo assim, hoje o sentimento que tenho é de estar perdida na confusão da incerteza de não saber por onde começar, no desejo de dar um novo rumo a minha vida, ganhar dinheiro, sair de casa, ser independente, soltar a barra da saia de mamãe ou até mudar de profissão seria o primeiro passo.
Essa inquietação não me deixa, queria poder prever o futuro e não apenas imaginá-lo como pode ser daqui há 5 anos, enquanto ele não chega volto pra conversa com a amiga com o intuito de viver a vida, amanhã é um novo dia e o melhor poderá acontecer.

Sobre a morte

Hoje eu vi a morte sentou do meu lado e me olhou profundamente, dei um breve suspiro por um instante pense que pudesse ser o último de minha breve vida, assustada fiquei quando parecia ter chegado a hora, fechei os olhos depois os abri pois não chegara meu dia – ainda bem.

Início meio e fim

São assim as histórias todas tem suas fases, mas as vezes nos frustram o inicio que não deu certo, o término prematuro ou que foi bom enquanto durou, na minha pequena experiência de vida me prendi em algumas historias, lamentei a forma com que algumas delas acabaram e aprendi que não importa se foi bom ou ruim, eu vivi intensamente cada umas delas, ah como desejei voltar no tempo pra consertar meus erros, poder fazer diferente.
Mas não deu e nem nunca vai dar, o tempo passa e põe as coisas em ordem o que passou se torna parte das lembranças, sempre gostei dessa mágica do tempo de trazer o esquecimento, fazer sarar feridas é interessante o seu poder.
Não temo me contento por assim dizer, fiquei só pra ser mais feliz.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Is this it

A vida é assim: não se rema contra a maré,nem se luta por uma causa perdida, simplesmente aceita-se os fatos, é o fim da linha.

Noite quente

As nuvens, o breu, a neblina que encobria meu humor se desmemanchou, passou, não guardo raiva nem mágoa, o melhor é saber perdoar, não há motivo pra tristeza na noite quente o gelo derrete, o coração se aquece, vou ser feliz.

Real + izar

Te realizo nos meus versos somente neles, não há eu e você.

Ligação

Uma ligação perdida... mesmo que desperdiçar a opotunidade? não sei quem estava do outro lado da linha e por mais que eu tente não deixo de pensar, bem que podia ser você a me procurar

Inquietude

Em dias como esses
Quando lembrodos teus olhos
Fico pura inquietação
Não inventei aqueles momentos
Eles existiram
E fui tão eu
Ao cantar aquela canção
Que traduz o que você é pra mim
Quero tudo outra vez
Peço a Deus
Pra tornar meu desejo possivel.

Caminhante

Desde criança trazia um sonho consigo, o da liberdade enquanto os outros esperavam do futiuro terem uma vida estável, ela só queria sair por ai sem destino, pensou que o mundo caberia na palma da mão.

Convite

Te pego pela mão
E te faço o convite
Vem pro meu mundo
Que eu nunca mais te deixo ir