Sobre meu ser...

"Quando lhe faltar razão, que enfim fale o coração".
(Hélio Flanders)

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

-

Tanta coisa fora do lugar, mas onde fica o lugar certo? Ordem até na desordenação de fatos e acasos. Somente através das coisas do infindado coração desumano.

Porque o olhar sobre a vida foi reparado...

Não deixe os sentimentos se sobrepor ao que é certo.

Regular – perpendicular – congelar - a linha do tempo.

Um lugar vazio dói mais que dor de dente. Se o espaço for pequeno, joga uma coisa velha fora, põe uma nova no lugar.

Não me importo caso eu tenha deixado de ser o seu programa preferido.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Enredo de 2005

De vez em quando lembro daquele nosso enredo, que mais parecia novela de Manoel Carlos. Mas sabe você ainda é vivente nas minhas memórias juvenis, quando eu vivia metendo os pés pelas mãos, dos meus erros intermináveis, da minha impulsividade e teimosia. Tua calma me inquietava tanto, só me deixava mais impaciente. Eu era tua princesa sem ao menos ter um castelo, sempre pensava isso quando você me ligava, e docemente proferia um “Oi princesa”, ligações sem hora pra acabar, torpedos nas primeiras horas da manhã, eu adorava aquilo.

Antes eu punha em você toda a culpa dos meus relacionamentos frustrados, infelizmente sou assim. Tenho pensado muito e às vezes não acredito no teu noivado, quando eu soube da notícia a primeira coisa que fiz foi ter tomado um porre daqueles, quase ter me atracado com um cara que estava dando em cima de mim naquela noite, mas não derramei uma lágrima, acreditava piamente que a qualquer momento alguém viria desmentir tudo.

Por um segundo desejei ser sua noiva, entrar de braço dado com meu pai na igreja, que ele me entregasse a você no altar, como num perfeito desfecho de comédia romântica. Mas infelizmente não fui feita pro casamento.

Vou te encontrar casualmente pela rua, e te parabenizar pelo casamento, que você seja feliz com ela, sem nenhuma hipocrisia. O amor da minha vida merece a mais plena felicidade: uma casa no campo, filhos, netos. Que ela possa te amar do jeito que eu não soube, um amor tranqüilo e sereno.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Zelo.

Eu queria te de uma maneira intocável

Como um objeto de valor na instante

Um quadro de milhões de dólares pendurado na parede

Uma fotografia de um momento especial, com uma moldura bonita

Um tesouro guardado a sete chaves, que somente eu teria acesso

Se fosse pintado de ouro, te lustraria feito um troféu

Eu ficaria te admirando desse jeito

Pra sempre.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Memória Machadiana

Uma boa lembrança das aulas de Literatura Brasileira II, das poesias de Machado de Assis. E quando este texto me foi apresentado foi identificação instantânea.


Erro - Machado de Assis