Sobre meu ser...

"Quando lhe faltar razão, que enfim fale o coração".
(Hélio Flanders)

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Termômetro

Agora eu tenho um termômetro em mim, dois polos de uma inconstância e dela é que vem meus surtos ultimamente. Dois extremos de uma estranheza que nem eu mesma havia vivenciado, no achismo de já ter passado por tantas coisas, experiencias diferentes, mas isso, isso nunca, a bagagem dos vinte e poucos anos começa a pesar.
O passado e o futuro se encontrando nesse presente confuso. Já se foram quase dois anos desse ama e desama sem sentido, que só trouxe a mim cabelos brancos, noites sem sono, uma saudade eterna que presença nenhuma cura. Aí um futuro melhor vislumbra, uma opção nova, um atalho pro bom futuro, que nem o ônibus que vez ou outra passa por mim quando estou andando pelo centro da cidade.
O futuro tem cara de boa gente, sempre com alguma melodia ao fundo, mesmo que nenhuma música esteja tocando enquanto ele passa, e eu rio, não é aquele riso de propaganda de creme dental dos intervalos de novela, é riso que vem de fora pra dentro, que gargalha dentro de si sem a necessidade que todos vejam, momento feito pra se guardar, pra lembrar depois e ir gastando aos poucos, eternizando a sensação de tão boa.
Como febre que dá e passa, a minha tem dois tipos, com nome e sobrenome, mas o poder de escolha no momento eu não tenho, não sei porque pra mim questão de sentimento se transformou em patologia, que profissional com graduação, residência, mestrado, podem prescrever um parecer sobre meu caso. Um luta que vou ter que travar sozinha, eu sou meu médico e eu que ache minha cura.

Caminho pra seguir

Vem,
Eu ficarei te esperando
A contar cada minuto
Até que meus olhos te enxerguem caminhando
Na direção que vai te levar até mim
Siga as pistas dessa trilha
Do caminho sem curvas
Moldado nos teus pés
É sob medida
Pra descartar qualquer risco
De outras pessoas passarem por lá
Se vier não me avise
Não deixe recado
Simplesmente venha
Que o que tem no final da caminhada
São braços e abraços
Guardados só pra você.

-

Eu aqui e você em qualquer lugar do mundo longe de mim, quase não tenho mais você nas minhas memórias ao menos lá nosso encontro era certo, é a vida querendo que eu te esqueça, mesmo não tendo mais forças pra lutar contra. Eu deveria estar feliz por que os seus vestígios estão saindo de mim, num processo indolor as vezes até imperceptível.
Aí eu invento uma saudade sua pra me manter presa a você mais um pouco, enquanto isso meu coração fica aos berros pra não te tirar de mim, pois se o esquecimento dominar meu peito de vez, você nunca mais vai entrar de novo.
Você podia vir logo...