Sobre meu ser...

"Quando lhe faltar razão, que enfim fale o coração".
(Hélio Flanders)

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A minha história em duas cores

Quando eu era pequena eu era o amarelo

Sandália amarela

Vestido amarelo

Tênis amerelo



Mas fui crescendo

E o amarelo foi envelhecendo

Foi indo embora

Saiu de porta afora



Cresci mais um pouco

Fiquei azul

Na cor do céu

Na cor da camisa que ele gostava de usar

O azul impregnou meu ser

.

.

.



Azul combina mais comigo.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

-

*
Tenho sonhos
Não tenho fome
Quem irá alimentar
Todos esses sonhos?
*


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

-

*
Me prometeste o amanhã
Amanhã será hoje
E o amanhã jamais chegou.
*

Te pedi minutos do teu hoje
É um tempo precioso
Hoje eu sei
*

Adiei por muitos mais amanhãs
Do que eu podia
O que eu já sabia desde ontem
*

Eu não fui um ontem
Nunca fiz parte do teu hoje
Só me enganaste com o teu amanhã
*

Amanhã nunca será amanhã.



segunda-feira, 14 de outubro de 2013

-

Queria poder me perdoar por não conseguir ser bem sucedida no objetivo de te deixar pra lá.  Eu sempre estive pensando que num dia como esse de hoje ou aquele que vai vir amanhã eu já seria uma pessoa liberta de todas as lembranças que eu ainda trago.
Queria que meu coração servisse apenas pra manutenção da minha própria vida, e não nesse estado lamentável de desperdício de batimentos cardíacos por que o nunca considerou como tal. Um coração com alguém dentro.



quinta-feira, 10 de outubro de 2013

-

*
 Vai ver que meu corpo se acostumou a reagir de acordo 
Como o meu coração te queria.
 *

sábado, 5 de outubro de 2013

22:22

Eu queria morar num som doce das cordas de viola, ou na perfeição de Deus. Não estou querendo demais, o problema sempre foi porque eu quis muito coisas demais, a vida seria um lugar mais ameno, eu teria sono e meus cabelos continuariam na cor preta, meus cabelos brancos já são aparente mesmo tendo recém chegado na metade da meia idade.
Já pensou se eu falassem em espanhol e as pessoas entendessem no bom e velho português? Metade dos meus problemas estariam resolvidos. Tem horas que eu só não sei o que fazer e aonde ir, me enveredo pelos piores caminhos, escalo montanhas de impossibilidades - um nome em letras maiúsculas, um território marcado sem nenhum conhecimento de quem o conquistou.
É sábado, preciso preencher as horas vagas com qualquer coisa, internet com notícias que não me agradam, músicas carregadas de lembranças, de olhos fechados ainda vejo aquele rosto, travesseiro pra molhar de lágrimas, saudade pra sentir antes do sono, sono pra sonhar com você - bosta.